domingo, 22 de outubro de 2017

POESIA VIVA DO RECIFE : "POESIA VIVA", texto de Eduardo Campos







POESIA VIVA DO RECIFE 
(contracapa da edição impressa) / 




"Feliz é o povo que pode contar com seus poetas. 
Feliz é a cidade que, como o Recife, pode orgulhar-se de ter na poesia 
uma parte essencial de sua substância vital.  
Sim, porque no Recife poesia não é exceção, é regra.  
Não é o evento sazonal, mas o cotidiano de sua população. 
Mesmo em meio às maiores dificuldades vão convertendo vida 
em poesia viva, participante. 
Só esta circunstância particular permite a edição de uma obra como esta, 
antologia da produção de 100 poetas contemporâneos vivos.  
Aí estão os mais consagrados e a novíssima geração.  
Unanimidades nacionais e talentos quase anônimos 
cujo brilho ofusca mesmo em amostras tão limitadas.  
Todos comprometidos com a inexcedível beleza deste recanto 
construído, como no verso de Carlos Pena Filho,  
a partir do sonho dos homens."     


EDUARDO CAMPOS 
(Secretário da Fazenda 
e ex-Secretário de Governo) 

_________________________________________________
Texto / orelha (2) da edição impressa 
da antologia POESIA VIVA DO RECIFE 
(Companhia Editora de Pernambuco - CEPE, 
Recife, PE, 1996) 




sábado, 14 de outubro de 2017

POESIA VIVA DO RECIFE : "A VOZ DA CIDADE", texto de Jorge Gomes









POESIA VIVA DO RECIFE 
(capa e orelha da edição impressa / 
CEPE, Recife, 1996) 




"Uma cidade se faz ouvir de muitas maneiras. Uma delas é o rumor 
constante, zumbido que se eterniza ao correr dos séculos, soma dos sons  
produzidos por milhões de pessoas, a nascer, viver, morrer. 
Outra é o que diz quem mora nela. 
Pela cidade fala cada um dos seus habitantes, e estas vozes 
devem ser ouvidas como afirmação de individualidades e como manifestação 
coletiva, música criada por imensa orquestra que nunca desafina. 
Ouçamos, por exemplo, a voz dos poetas do Recife. 
Neste volume é possível "ouvir" o que dizem 100 espécimes 
desta categoria especial de recifenses. 
Individualmente, falam dos seus sonhos e da relação 
nem sempre pacífica que mantêm com este canto do universo. 
Coletivamente, tecem a própria alma da cidade, tradução mágica 
do que sentimos todos nós.  
Estamos comemorando o 459o. aniversário do Recife. 
Não poderia haver hora mais indicada para editar um livro como este." 

JORGE GOMES 
(Vice-Governador 
e Secretário de Governo)


__________________________________________________________
Texto / orelha da edição impressa da antologia 
POESIA VIVA DO RECIFE 
(Companhia Editora de Pernambuco - CEPE, Recife, 1996) 

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

POESIA VIVA DO RECIFE : Homenagem aos 480 Anos da Cidade






POESIA VIVA DO RECIFE 
(capa) 
 Companhia Editora de Pernambuco 
- CEPE / Secretaria do Governo / 
Governo do Estado de Pernambuco 
(Recife, 1996)




          Neste ano do 480o. aniversário de fundação do Recife, a Panamerica Nordestal Editora promoverá o lançamento da edição eletrônica (ebook) da antologia POESIA VIVA DO RECIFE, revista e aumentada, reunindo poemas publicados e inéditos de 250 poetas que "vivem, amam e eternizam a cidade".  O arquivo tem aproximadamente 620 páginas e a sua tiragem é ilimitada.   

          Desde novembro de 2011 até este mês de outubro 2017, mais de 55 poetas / poemas da antologia já foram divulgados em página especial da Agenda Cultural, publicação mensal da Fundação de Cultura Cidade do Recife / Secretaria de Cultura / Prefeitura do Recife, para relevar, durante o ano da edição, o aniversário da capital pernambucana.   

            A primeira edição da antologia POESIA VIVA DO RECIFE, impressa, foi realizada, em 1996, pela Companhia Editora de Pernambuco - CEPE / Secretaria do Governo / Governo do Estado de Pernambuco e reunia 100 poetas pernambucanos.    


          (Texto de Juareiz Correya) 



domingo, 16 de julho de 2017

POESIA VIVA DO RECIFE : "MARÉ" (fragmento), de Rodolfo Aureliano






Página (41) reproduzida 
da AGENDA CULTURAL 
DO RECIFE, julho 2017





"Águas barrentas  
Águas sangrentas  
Águas que trazem a secura do sertão  
Águas que trazem a visão do agreste  
Águas que trazem o pão de cada dia
Dos areeiros  
Águas que trazem a peste de cada dia 
Dos ribeiros  
Águas do rio Capibaribe..." 

....................................................


(Da antologia inédita POESIA VIVA DO RECIFE,  
organizada por Juareiz Correya) 



____________________________________________________________
RODOLFO AURELIANO - Recifense.  Poeta, compositor popular, 
jornalista. Formou-se em Engenharia na UNICAP, Recife, PE (1974). 
Viveu em Caruaru e Petrolina. É funcionário público municipal 
(Prefeitura de Olinda, PE). Poesia publicada : Estrela do Dia, Postal 
do Brasil. Participou da primeira edição da antologia Poesia 
Viva do Recife (CEPE, Recife, PE, 1996). 

...................................................................................
Acesse - AGENDA CULTURAL  : 
www.recife.pe.gov.br/agendacultural 
http://www.agendaculturaldorecife.blogspot.com 

quarta-feira, 12 de abril de 2017

POESIA VIVA DO RECIFE : "RECI(TAR)FE (fragmentos), de Flávio Chaves






Página reproduzida da edição 
digital da AGENDA CULTURAL 
DO RECIFE 
(Abril 2017) 



........................................................

"Recife, 
encontro da imensidade atlântica 
na noite enluarada mais romântica 
dos sobrados viajantes do tempo 
admirados com os arranha-céus 
que lhes intranquilizam o amanhecer"

(Flavio Chaves) 





Transcrito da antologia inédita 
POESIA VIVA DO RECIFE, 
organizada por Juareiz Correya  

________________________________________
Acesse o blog AGENDA CULTURAL 
- http://agendaculturaldorecife.blogspot.com.br 


segunda-feira, 27 de março de 2017

IDENTIFICADO RECIFE, de Juareiz Correya








IDENTIFICADO RECIFE 
(fragmento), 
de Juareiz Correya  




"Hoje amanheci domingo 
estou cedo pelo Recife deserto
as possibilidades são raras 
na cidade que eu sou : 
o sol do atlântico pode me devorar  
ou a chuva do capibaribe me apodrecer.  
ninguém transita ou veicula sorrisos
não chega ou se despede ninguém cotidiano 
tudo sou eu que parei e descanso mortomente.  
a cidade que eu sou entardecerá cinemas  
crepusculabrirá bares  
travestidas boates sexuais passeios  
passagens noite a dentro.   
amanhãserei primeiro  
segunda feira  
dia que te uso e mascateias" 




(Ilustração : 
Placa com poesia do projeto da FUNDAJ, 
coordenado por Jaci Bezerra, 
em homenagem aos 450 anos do Recife) 




____________________________________________________
Poema transcrito do ÁLBUM DO RECIFE, edição especial 
- Comemoração dos 450 Anos da Cidade do Recife - 
69 Artistas Plásticos / 69 Poetas Pernambucanos.
Coordenação de Jaci Bezerra e Sylvia Pontual.
(Prefeitura da Cidade do Recife, 1987). 
Álbum de 168 páginas, formato 21 x 30 cms., impressão 
off-set, papel cuchê, tiragem de 2.000 exemplares. 

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

POESIA VIVA DO RECIFE : "RECICLE-SE" (fragmento), de Danielle Romani






AGENDA CULTURAL DO RECIFE
(pagina 63), seção Giro Literário / 
Fevereiro 2017 




..................................................................... 

"Recife é porrada, 
martelando pontes, sobrados. 
Presságios surgindo 
na Rua do Futuro, 
nos becos de magia, 
onde 
o destino às vezes é farto 
e os homens fazem sua morada...   


(Da antologia inédita POESIA VIVA DO RECIFE, 
organizada por Juareiz Correya) 



____________________________________________
Prefeitura do Recife / Secretaria de Cultura / 
Fundação de Cultura Cidade do Recife  

Acesse  AGENDA CULTURAL DO RECIFE 
- http://agendaculturaldorecife.blogspot.com.br   



sábado, 21 de janeiro de 2017

POESIA VIVA DO RECIFE : "MEU RIO" (fragmento), de Altair Leal






Meu rio Capibaribe, 
meu rio dos barcos de papéis, 
meus sonhos fluviais, meus sonhos, 
sonhos de margens, 
imagens em sombras flutuantes.   


Hoje não te sorvo, 
e a lembrança da tua água doce 
lacrimeja meus olhos 
turvando minha íris.  


E eu corpo e água, 
sentado ao teu lado 
molhando-me de saudades, 
e você, passando de perfil, 
margeando-me fétido. 
Oh! Meu grande rio... 
Meu rio Capibaribe. 


(Da antologia inédita POESIA VIVA DO RECIFE, 
organizada por Juareiz Correya) 


_____________________________________________________ 
ALTAIR LEAL (FERREIRA) - Nasceu em Limoeiro (PE) no ano 
de 1960. Participa há algum tempo da vida cultural do Recife e é 
membro de várias entidades culturais.  Atua em eventos e recitais 
de poesia nas cidades do Grande Recife. Escreve e edita folhetos 
de literatura de cordel.  Poemas publicados na antologia 
Marginal Recife - Coletânea Poética 5 (Prefeitura do Recife / 
Secretaria de Cultura / Fundação de Cultura Cidade do Recife). 
Publica o blog POESIA DE CUM FORÇA 
(http://panteracordelaria.blogspot.com.br) 
....................................................................................................... 
Acesse este poema na AGENDA CULTURAL / 
página "Giro Literário" 
- http://www.recife.pe.gov.br/agendacultural/



domingo, 18 de dezembro de 2016

POESIA VIVA DO RECIFE : "CAPIBARIBE - VÁRZEA" (Canto I), de Suzana Vasconcelos






CAPIBARIBE - VÁRZEA 
(Canto I)  




Na minha Várzea, 
tenho eu o rio 
e o sino. 


Rio 
dos olhos encantados.   


Sino 
dos ouvidos adormecidos.     




(Da antologia inédita 
POESIA VIVA DO RECIFE, 
organizada por Juareiz Correya) 




_______________________________________________________
SUZANA VASCONCELOS  - Nasceu no Rio de Janeiro (RJ), 
e vive no Recife desde o ano de 1982.  É arte-educadora, 
pianista, professora de música e compositora. Ensina piano 
na Escola Municipal de Arte João Pernambuco e dirige 
um escritório de arte.  Inédita até hoje, este é o seu primeiro 
poema publicado. Afirma que faz versos para imagens, 
pensando em pequenas canções. Pretende, futuramente, 
publicar o seu primeiro livro de poesia.    

..........................................................................................................
AGENDA CULTURAL - Dezembro 2016 
"Seção Giro Literário" 
Acesse o site da Prefeitura do Recife  
(http://www.recife.pe.gov.br/agendacultural/) 

sábado, 19 de novembro de 2016

POESIA VIVA DO RECIFE : "AS VOZES DO BECO DA FOME" (fragmento), de Wilson Vieira





 ................................................................................. 

O bulício dessas vozes 
por minha vida afora 
são vômitos que enlameiam 
os pregões da minha história ! 
Saltimbancos que me anunciam 
nas aldeias por onde passo 
os dedos que me apontam 
o cadafalso !


Por que tais vozes não calam  
o meu medo principal ? 
Por que só vomitam a gosma 
que me faz mal ? 


... Mas as vozes do beco cessam 
quando a chama, a voz serena, 
de outro povo, de outra Rua, 
recita um Novo Poema !    


(Da antologia inédita POESIA VIVA DO RECIFE, 
organizada por Juareiz Correya) 



________________________________________________________ 
WILSON VIEIRA - Nasceu em Barbalha (CE) no ano de 1939. 
Veio estudar no Recife aos 20 anos de idade.  Graduou-se em Física, 
fez mestrado e doutorado em Energia Nuclear na UFPE. É professor 
no CEFET-PE e na UPE/Poli. Publicou estes livros de poesia : 
Ditirambo e Pinguelo. Incluído na antologia Marginal Recife  
- Coletânea Poética 1 (Prefeitura do Recife / Secretaria de Cultura / 
Fundação de Cultura, Recife, PE, 2002),
........................................................................................................... 
Acesse a AGENDA CULTURAL DO RECIFE 
(Novembro 2016) 
- http://agendaculturaldorecife.blogspot.com 


quarta-feira, 28 de setembro de 2016

POESIA VIVA DO RECIFE : "AS RUAS", de Leônia Léa Malta








Há um pouco de sal  
Nas ruas 
Que tanto pisei 
Os anúncios cospem  
Sutilezas  
Hot 
Arroto 
Dogues  
Beijos plebeus de aluguel 
Fumaça 
Carros 
Buzinas  
O ar lamenta  
As narinas asfixiam 
Fechem cortinas e janelas  
De súbito avanço 
O vento oculta  
Os medos  
E a cuba desce livre  
Até onde a vista alcança   



(Da antologia inédita  
POESIA VIVA DO RECIFE, 
organizada por Juareiz Correya) 




____________________________________________________________________________
LEÔNIA LÉA MALTA  -  Nasceu em Serra Talhada, sertão pernambucano.  Vive no Recife 
há mais de 30 anos.  Conquistou prêmios literários em Pernambuco, São Paulo e Rio de 
Janeiro.  Editou o fanzine "Folha Independente", no Recife, de 1987 a 1001, divulgando vários  
poetas alternativos brasileiros.  Publica os seus poemas em diversos jornais literários e 
coletâneas de poesia.    



...................................................................................................
Republicado da AGENDA CULTURAL DO RECIFE 
- Setembro 2016 - 
http://agendaculturaldorecife.blogspot.com.br    



sábado, 13 de agosto de 2016

CELINA DE HOLANDA : "POVO DE DEUS"




CELINA DE HOLANDA  
(Cabo de Santo Agostinho, PE) 
Centenário de Nascimento em 2015 





Ouço o povo numero de Deus. 
Vem dos mangues, cárceres  
e morros. 
O Recife pulsa 
pulso forte de aço, onde vivo. 
À noite, fecho a porta à beira-rio 
lama e carne indissolúveis. 
Ouço as portas. 
É o clamor do povo de Deus, abrindo-as.   






___________________________________________________
Poema selecionado do CD "CELINA DE HOLANDA 
E AS MULHERES DA TERRA (voz de Vernaide Wanderley), 
lançado, neste mês de agosto / 2016, no Cabo de Santo 
Agostinho, PE, em homenagem ao Centenário de Nascimento  
da Poetisa Celina de Holanda (1915 - 2015). 
Co-produção da Panamerica Nordestal Editora e Produções  
Culturais e Secretaria de Cultura / Secretaria de Educação / 
Prefeitura Municipal do Cabo de Santo Agostinho.