domingo, 10 de janeiro de 2016

POESIA VIVA DO RECIFE : "ARRECIFES", DE ALEX GUTERRES







ARRECIFES,  de Alex Guterres 


_____________________________________________ 
Poema publicado na AGENDA CULTURAL
- Janeiro, 2016 - 
Acesse o site da Prefeitura do Recife / 
Seção "Giro Literário" 
- http://www.recife.pe.gov.br/agendacultural 

domingo, 13 de dezembro de 2015

POESIA VIVA DO RECIFE : "Pequeno Comentário sobre o meu Recife", de José Terra




PEQUENO COMENTÁRIO 
SOBRE O MEU RECIFE 



                                                                    José Terra 



Teu poema debaixo da ponte  
É uma fisgada minha, Veneza Brasileira.  

Teus poetas malditos  
Com vinhos de quinta 
Latejando liricamente  
São minha guerra e minha paz, Florença dos Trópicos. 

Teus casebres de Josué e Chico 
São cicatrizes minhas, Manguetown 

Tua mulher romântica e solitária  
É minha amputação, Cidade Maurícia    

Teu mar em comunhão com tua canção 
É o meu principal exílio, Capital do Nordeste  

E teus políticos (sem Deus!) 
São revistos e refeitos no meu espírito 
Como um revés e um parto, Capital Brasileira dos Nanfrágios     


(Da antologia inédita 
 POESIA VIVA DO RECIFE, 
organizada por Juareiz Correya) 


________________________________________________________ 
JOSÉ TERRA  -  Nasceu em Palmares (PE) e vive no Recife desde o ano 
de 1966. Poeta, editor e produtor cultural. Organizou (2003/2004), com 
José Jorge Ferreira e Aldo Lins, o recital de poesia "Hospício Poético" 
(Restaurante Viena, Rua do Hospício, Recife). Incluído na antologia Poetas 
dos Palmares (2002). Publicou 21 Poemas (2005), em parceria com Joel 
Marcos, Poesia do mesmo sangue (2007), em parceria com Juareiz Correya, 
e o ebook Música de Rua (2015). É produtor cultural do projeto 
"Poesia Viva nas Escolas da Mata Sul" (Funcultura / Fundarpe / Secretaria 
de Cultura / Governo do Estado de Pernambuco).  


,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,....... 
Transcrito da AGENDA CULTURAL DO RECIFE 
- Dezembro, 2015 -  
(http://www.recife.pe.gov.br/agendacultural) 




quinta-feira, 22 de outubro de 2015

"POESIA VIVA DO RECIFE" : ",MERCADO DA BOA VISTA" (fragmentos), de Aldo Lins





MERCADO DA BOA VISTA 
(fragmentos) 




Levanto-me neste dia que amanhece 
E atravesso o Portal de ferro  
E as Pilastras : "maçãs portuguesas"
Símbolos dos leilões de sombras.   

Onde já foi mercado de escravos 
Hoje vendem-se cravos e canelas, 
Cereais, legumes, frutas, carnes e ervas  
Para Eva ou Maria : "maçãs brasileiras".  


...................................................................................


Os mal tratados pela vida  
Boêmios, mobílias e dinossauros 
Desenham as diversas cores dos pratos  
Em pileques homéricos repletos de luz.   

Na Ribeira da Boa Vista 
Meu coração poema inacabado 
Solve os acordes de um pinho  
Entre pombos na praça da alimentação. 



(Da antologia POESIA VIVA DO RECIFE, 
organizada por Juareiz Correya) 



______________________________________________________________________________ 
ALDO LINS - Nasceu em Cajazeiras (PB). Cursou a Faculdade de Direito / 
Universidade Federal da Paraíba, em João Pessoa, onde iniciou  
sua trajetória literária. Em 2003, já residindo no Recife, lançou 
a primeira edição do livro Alma de Vidro (Editora Universitária /  UFPE). 
Organizou, com José Terra, o recital "Hospício Poético" (Recife, 2004) 
e organiza, mensalmente, o "Sarau da Boa Vista" (Bar Maremoto / 
Rua do Hospício, Boa Vista, Recife).  Publica o blog  
O Grito (http://poetaaldolins.blogspot.com.br) 

....................................................................................................................... 
Transcrito da AGENDA CULTURAL DO RECIFE  
- Setembro 2015 - 
(http://www.agendaculturaldorecife.blogspot.com) 






quarta-feira, 17 de junho de 2015

POESIA VIVA DO RECIFE : "POEMA EM TRANSE" (fragmento), de Jorge Lopes




POESIA VIVA DO RECIFE : 
"POEMA EM TRANSE" (fragmento), 
de Jorge Lopes 

............................................................. 

A rua guarda seus segredos  
e os segredos  
                                           das pessoas 
por cima dos telhados  
por cima das nuvens 
por cima da morte  




(Da antologia POESIA VIVA DO RECIFE, 
organizada por Juareiz Correya)  



____________________________________________________________________________
     Reprodução da página 70 (Seção Giro Literário / AGENDA CULTURAL, Junho 2015). 
Edição da Prefeitura do Recife / Secretaria de Cultura / Fundação de Cultura Cidade do Recife. Acesse estes endereços : 
www.recife.pe.gov.br/agendacultural 
www.agendaculturaldorecife.blogspot.com
http://twitter.com@agendacultural
     

terça-feira, 21 de abril de 2015

POESIA VIVA DO RECIFE : "GRAÇAS", de Sonia Barbosa





GRAÇAS, de Sonia Barbosa 


Poema de Sonia Barbosa (Recife, PE) reproduzido da AGENDA CULTURAL DO RECIFE (Abril, 2015), publicada pela Prefeitura do Recife / Secretaria de Cultura / Fundação de Cultura Cidade do Recife, que circula mensalmente em edição impressa, tiragem de 10 mil exemplares,  e eletrônica.  O poema faz parte da antologia POESIA VIVA DO RECIFE, organizada por Juareiz Correya, com edição eletrônica (ebook), revista e aumentada, a ser lançada neste ano de 2015 em homenagem aos 478 anos da capital pernambucana. 
Acesse a AGENDA CULTURAL nestes links : 
http://www.recife.pe.gov.br/agendacultural 
http://www.agendaculturaldorecife.blogspot.com
Twitter  :  http://twitter.com/agendacultural

domingo, 12 de abril de 2015

AS CIDADES, de Juareiz Correya





As cidades são pessoas. 
Assim crescem e vivem 
À luz dos nossos olhos  
E no coração do sangue. 
Habitam nossa alegria 
E nossa dor. 
Por um momento 
Se perpetuam em nós  
E somos 
A própria imagem e semelhança  
Do que nunca morre.
Também se apequenam 
E se apagam 
Como um tempo perdido 
E o avesso da humana verdade : 
Vivendo a vida ser ter vivido.    




(Recife, setembro de 2008)  


________________________________________ 
Do livro inédito POEMAS DO NOVO SÉCULO 

sábado, 4 de abril de 2015

CENTRAL PARQUE 13 DE MAIO, de Juareiz Correya







Um azul meio-noite se estende  
sobre o centro do Recife  
antecipando o anúncio luminoso 
de todas as cores da manhã.  
Não é mais noite e ainda não é dia. 
A fotografia imprecisa  
estampa sua monocromia  
no céu da cidade :   
a cor primal do amanhecer da Boa Vista  
sobre o central parque recifense  
identifica o instantâneo 
de uma visão que nunca existirá 
no central parque nova-iorquino. 



(Recife, Boa Vista / 
7 de junho 2006)  



____________________________________ 
Do livro inédito "Poemas do Novo Século"